sábado, 13 de março de 2010

Como eu odeio essa condicionalidade imposta, essa força maior, opinião que nos impede de tentar e de errar e de ser realmente livres e felizes.

6 comentários:

♥ Evelin Pinheiro ♥ disse...

Oi Nina! Te achei por acaso, gostei do teu blog e resolvi te seguir. Pode??rsrsrs... tb tenho um, espero q me siga e que goste tb!

Bjos*-*

http://evesimplesassim.blogspot.com/

Lyra disse...

Olhem este sitio absolutamente delicioso para se desenhar, "desabafar" e descontrair :o)

Percebi que não é preciso sabermos desenhar bem para ilustrarmos ou "escrevermos" o que nos vai na alma através do desenho...E às vezes é bem mais fácil desenharmos o que nos vai na alma em..."silêncio"

E podem sempre adicionar o desenho ao vosso blog ou enviá-lo por e-mail a alguém.

www.sketchtag.com - visitem - vale mesmo a pena! Divirtam-se!


Até breve.

;O)

Lyra

Muitas Palavras disse...

faça diferente então...você tem a liberdade de ir e voltar...vá onde quiser...leia...escreva....atravesse o limite do que quiser...o que te impede de ser livre é você mesmo e não uma força maior!

Poeta Mauro Rocha disse...

Ola!! Não deixe de viver por causa disso, a vida é mais!
Gostaria mais uma vez agradecer você e a todos que visitam e comentam meu blog, vou parar de publicar por algum tempo e me dedicar a estudos, preciso, já estou de certa forma afastado, visitando pouco meus amigos de blog, mas agora é para valer. Deixo meu “último” poema, dedicado a Brasília e seus 50 anos é antigo, feito quando eu tinha meus 20 e alguma coisa,srsrrs, mas gosto dele e acho que é o momento certo.

Mais uma vez obrigado por suas palavras e carinho com meus poemas e meu blog.

Um abraço!

Poeta Mauro Rocha disse...

feliz dia das mães e peço emprestado esse poema do nosso poeta maior e faço essa homenagem:


Para Sempre

Por que Deus permite
que as mães vão-se embora?
Mãe não tem limite,
é tempo sem hora,
luz que não apaga
quando sopra o vento
e chuva desaba,
veludo escondido
na pele enrugada,
água pura, ar puro,
puro pensamento.

Morrer acontece
com o que é breve e passa
sem deixar vestígio.
Mãe, na sua graça,
é eternidade.
Por que Deus se lembra
- mistério profundo -
de tirá-la um dia?
Fosse eu Rei do Mundo,
baixava uma lei:
Mãe não morre nunca,
mãe ficará sempre
junto de seu filho
e ele, velho embora,
será pequenino
feito grão de milho.

Carlos Drummond de Andrade

Poeta Mauro Rocha disse...

Feliz Páscoa a você e a todos de sua familia e amigos.

Um abraço!